quarta-feira, fevereiro 14, 2007

50. COM O CORAÇÃO


Depois de termos andado com o coração nas mãos por causa de um fígado, depois de ter o coração partido por coisas que não são para aqui chamadas, depois de ter de admitir que coração e cabeça nem sempre (ou quase nunca) conseguem estar de acordo, depois de me abeirar perigosamente da loucura graças aos demolidores de apartamentos sem coração, chegou o dia de prestar a minha singela homenagem aos corações da minha terra, corações românticos, corações grandes, corações enormes, corações irrealistas, corações singelos, corações fieis, corações de leão, corações de cordeiro, corações ao alto, corações de fado, corações verde-rubros, corações sensíveis, corações generosos, corações volúveis, corações honestos, corações inflamáveis, corações nossos.

3 comentários:

S. disse...

Às vezes corações desfeitos.

Lauro António disse...

S.: Sabes que ha transplantes de orgãos? Quando um coração está desfeito, muda-se.

M disse...

Bem... só o tempo que leva a aparecer um novo!...