quinta-feira, julho 19, 2007

137. SÓ CINCO?

Isto de ser blog "familiar" leva a estas situações incontornáveis: o Lauro António Apresenta nomeou-me para esta batata quente. Como não se trata de escolher o "mais" qualquer coisa, com as consequentes injustiças para os meus vizinhos de blogosfera, agradeço a lembrança e aceito, embora já tivesse em tempos feito esta mesma tentativa, sem outro resultado para além de uma enumeração de escritores da minha vida.
Ainda ontem, em conversa com um amigo, recordava livros cujos inícios são inesquecíveis e comentávamos como é estranho e inexplicável que frases tão simples como: "I had a farm in Africa at the foot of the Ngong Hills." (Karen Blixen, Out of Africa), ou: "Muitos anos depois, em frente ao pelotão de fuzilamento, o coronel Aureliano Buendía haveria de recordar aquela tarde remota em que o seu pai o levou a conhecer o gelo." (Gabriel Garcia Marquez Cem Anos de Solidão) se gravem indelevelmente na nossa memória. Só pode ser magia.
E, contudo, não posso dizer que estes se encontrem entre os cinco livros da minha vida. Até porque escolher cinco livros entre tantos que fizeram, em diversos momentos da minha vida, a minha felicidade, é quase impossível. Direi mesmo que não sou capaz de fazer duas listas iguais de cinco dos livros da minha vida, em dois momentos diferentes do mesmo dia.
Neste momento, sem muita reflexão, no entanto, arriscaria os seguintes:
uma antologia do Fernando Pessoa
India Song de Marguerite Duras
um dos últimos Lobo Antunes, talvez Não entres tão depressa nessa noite escura
um Enrique Vila-Matas, talvez Bartleby & Compañia
um Paul Auster.

E agora, resta-me passar a batata quente a:
Bandida
Exilirado
Intruso
Noite de Mel
Gola Alta
Divirtam-se!

10 comentários:

Sony Hari disse...

E batata quente aceite! Vou já para o meu blog fazer o TPC ;)
Beijo, M.

Arion disse...

Ai, que marota! Agora deixa-me cá ver que cinco é que hão-de ser. Pronto, prometo que não ponho só a Virginia Woolf... ;) E só podem ser cinco? Mas que grande aborrecimento... ;) Beijo!

isabel victor disse...

Agora, que aqui vim lembrei-me que estou em falta com a "GI", que há algumas luas atrás me convocou para este mesmo altar dos livros de sempre.

Concordo contigo " m " ... sempre que começo a fazer uma lista, apetece-me logo apresentar outra. A nossa vida é feita de muitos e diversos retalhos de vida. Há livros que me marcaram em determinados momentos e outros noutros. Mas ... há aqueles livros que ganharam tal densidade que flutuam ...

que permanecem (independentemente das marés e das tempestades )

_______
"Cem anos de solidão" - G. Garcia Marques (e tantos outros ...)

"Os filhos de sanchez" - Oscar Lewis (estudo marcante)

Vários livros de Francisco Umbral (Admirável escritor !)

e de Jorge Luís Borges

FErnando Pessoa (eterno !)

Virgilo Ferreira (sempre ...)

Truman Capote (fascinante /enigmático)

Hemingway (incontornável)

e ... sobretudo / acima de tudo - MARGUERITE DURAS !

e tantos, tantos

ultimamente Paul Auster ...

etc
etc
etc

__________um beijo *

intruso disse...

obrigado M!
:)

eu tb ando com pressa, ou melhor, sem tempo...
vim aqui a correr pois estou sem net...
o desafio está aceite, postarei assim que puder

beijo

M disse...

obrigada, isabel. Vimos de fora o teu museu. Sardinhas, afinal sem ti, mas estavamos tão lançados que não conseguimos travar.
Beijos

M disse...

obrigada, intruso. Fico a aguardar
beijo

Ana Paula disse...

Apresenta-nos excelentes escolhas, M.! :):)

C. disse...

os livros são o objecto mais precioso que existe. para além de precisar de os ler, gosto de os tocar, de os folhear, de os sentir no seu todo. tenho com eles uma relação de profunda paixão. alegro-me imenso sempre que encontro alguém que também gosta muito de livros. adorável e muito interessante este seu texto sobre os inícios inesquecíveis.

um beijo querida M.

M disse...

c., é por isso que gostei tanto do post sobre o homem que sobe a escada dentro do livro.
beijo

Ida disse...

Isto aqui anda do melhor, M. Primeiro, porque eu adoro gaspacho, al'em de me trazer 'otimas lembran'cas de um ver~ao na costa espanhola. Depois, porque ha variedade e regularidade, cheio de ideias.

Essas tuas primeiras frases de romances trouxeram-me duas coisas estimadas do fundo da noite dos tempos das minhas lembrancas: uma, o inicio de "Cem anos de Solidao" que quase esqueco que li na tenra idade em que comecava a faculdade de Letras, mas nao por obrigacao, era uma febre entre os estudantes; a outra eh essa historia maravilhosa que resultou num dos meus filmes favoritos, sobretudo pq tem imagens inesqueciveis do Quenia e sutilezas de cortar a alma em tirinhas pequeninas. Tive uma ideia. Ja vais ver. Beijinhos! (tudo sem acento pois o meu teclado esta tendo uma sincope e recusa-se a por alguns acentos e as cedilhas, sorry!).